Sem agredir a natureza, aço vira padrão popular

25/07/2011

Em substituição à madeira, a partir de agora o aço passa a ser o material padrão em construções de telhados de casas populares da Companhia de Desenvolvimento Habitacional Urbano, a CDHU. A decisão leva em conta questões ambientais e econômicas.

Segundo dados da Jarsil Indústias, para a construção de um telhado de 550m2 em madeira usa-se 2.900kg de perfis de aço. Para a construção de um telhado de mesmo tamanho, em madeira, é utilizado 16.500kg de madeira serrada, o que equivale a 30.000kg de toras de madeira, cerca de 10 árvores.

Os dados podem variar dependendo das árvores utilizadas, uma árvore de reflorestamento rende mais madeira do que uma nativa, mas a madeira é disputada entre muitas indústrias, como a de celulose, móveis, painéis e chapas, causando impacto ambiental e ou a busca por novas áreas de desmatamento ou o aumento dos preços, já o aço, com a compra em larga escala pela CDHU, conseguiu uma espécie de leilão entre as empresas do ramo para conseguir o preço mais baixo possível.

Ainda na questão ambiental, a madeira tem contra-indicações em relação ao aço. Ela precisa de produtos tóxicos para assegurar a durabilidade e mesmo assim tem uma vida útil menor e quando chega ao fim só pode ser substituída por outra madeira mais nova, já o aço é mais durável e pode ser reciclado apenas derretendo-o.

Manual do Aço

Para o mercado entender a aceitar a nova ordem do aço nas construções, o Centro Brasileiro de Construção em Aço, o CB-CA, publicou o manual “Viabilidade Econômica das Construções com Estruturas de Aço". Nele, discute-se a visão que se tem do aço, que compartilha a fama de moderno e rápido com o porém do preço alto.

Segundo a CB-CA o aço em si pode ser mais caro que outros materiais, mas ao mesmo tempo gera economias em áreas da obra.

Economiza-se tempo. As construções em aço podem ser todas realizadas nas fábricas e apenas montadas no canteiro de obras, enquanto a madeira geralmente é retirada dentro de áreas florestais e longe dos canteiros de obra, gastando-se tempo e dinheiro com o transporte por caminhões. As construções em madeira também não podem acontecer quando está chovendo, coisa que não ocorre quando se usa o aço.

A instalação da caixa d`água, a vantagem de não correr risco de incêndios e a fixação, já que os telhados usam apenas parafuso brocante, também são fatores de economia nas construções com o aço que são muitas vezes ignoradas quando olha-se apenas para o preço bruto do material.

Além do telhado

A construção popular pode ir além da construção dos telhados, ela pode envolver toda a casa e ajudar a resolver o déficit brasileiro de 6 milhões de moradias.

Um exemplo são as casas construídas pelo Projeto Kofar Casa Popular, que reúne 14 empresas e oferece três tipos de plantas de casas populares, todos de construções pré-fabricadas e de estruturas metálicas. O sistema utilizado é chamado de Steel Frame e se caracteriza pelos perfis metálicos leves de aço galvanizado, placas de revestimento e mantas térmicas impermeáveis. Os perfis são previamente perfurados para aumentar a produtividade nas instalações elétricas e hidráulicas e a casa pode ficar pronta em apenas 3 meses.

O método Steel Frame reduz a praticamente a zero o desperdício de materiais devido ao controle do processo produtivo na indústria e apenas deve ser montado no local da obra. O custo total da obra fica em torno de 20% mais barato do que a tradicional casa popular de alvenaria.

Fonte: Fórum da Construção